3 de out de 2008

Evasão Intelectual

Na ultima terça-feira estava eu na sala de aula poluindo minha mente com o editorial tendencioso de uma revista Veja (... Abril blogs ... muha muha muhaaaa .... o malllllll …), esperando pacientemente que a aula começasse. De repente, meu professor inicia a aula sem metade da turma estar presente, meu primeiro pensamento foi que o meu professor era um chato, que só porque tinha chegado adiantado na sala estava começando a aula antes do horário; mas então eu dou uma olhada no relógio (celular) e vejo que já haviam passado 15 minutos desde o horário de inicio da aula; ou seja, não era o meu professor que estava começando antes de toda a turma chegar, o que aconteceu era que quase metade da minha turma havia desaparecido!

e_feevale Mas para onde foram os meus digníssimos colegas? A resposta é obvia: na semana anterior meu professor havia devolvido aa provas e digamos que a média geral da turma não havia sido muito boa! Desde que eu entrei na faculdade observo que nas cadeiras mais difíceis – do tipo que exigem mais do que estar de corpo presente em aula – depois da divulgação das notas das provas iniciais, acontece uma desistência em massa.

Se no ensino fundamental e médio se observa evasão escolar, na faculdade, podemos perceber a evasão intelectual. Na minha faculdade os cursos são feitos por cadeira, onde cada cadeira é uma matéria. Cada semestre, você pode escolher em quais e em quantas cadeiras vai se matricular, sei que não é assim em todo o Brasil. Mas quando os alunos de cursos da área de exatas, como as engenharias ou como no meu caso, Ciência da Computação, entram nas cadeiras mais especificas de seus cursos, como calculo, programação, física ou como no caso desta cadeira que citei como exemplo, Pesquisa Operacional, onde desenvolvemos modelos lógico-matemáticos para aplicações logísticas , de produção ou cientificas, simplesmente alguns alunos resolvem que o seu curso é muito difícil e debandam para cadeiras mais fáceis ou mesmo cursos mais fáceis.

Não sei se isso é algo que só ocorre em faculdades particulares, mas percebo que muita gente está na faculdade só pelo diploma, ou entrou na faculdade de forma mal-orientada. No meu curso, entram em torno de 60 alunos por período letivo, mas apenas dez alunos se formam por ano!

É triste, mas tenho que admitir que a impressão que tenho é que os estudantes tem preguiça de estudar. Eu mesmo tenho preguiça de estudar para algumas cadeiras mais maçantes, mas tenho consciência de que se eu me proponho a frequentar um curso superior, eu vou ter que estudar como um aluno de ensino superior.

Existe uma idéia intrínseca na cultura brasileira, de que a escola é chata e que estudar só serve para se ter mais oportunidades de crescimento financeiro. Eu acredito que estudar é muito mais do que ter um diploma e garantir um bom emprego, que aliás não é nada garantido! Eu acredito que estudar pode te tornar uma pessoa melhor, apta a fazer as melhores escolhas, preparada para ajudar as outras pessoas e o mundo. Somos animais racionais e o poder que temos de transmitir conhecimentos por meios não puramente biológicos é o que faz de nós humanos, os donos deste planeta, pro bem ou para o mal!

Acho que está na hora de reformularmos nossos conceitos de aprendizagem e reformular nosso sistema de ensino, onde um estudante pode se tornar uma bacharel, apenas empurrando seus estudos com a "barriga"!




Imagem: prédio central da Feevale.

6 comentários:

  1. É verdade, Teilor. Só o corpo-presente não adianta. Muitos alunos vão para a faculdade e agem como se estivessem no Ensino Médio - ou pior: no Fundamental. Acadêmico de Ensino Superior deve agir como tal. Até porque faculdade privada não é nada barata. É um investimento que não deve ser jogado fora.
    E digo mais: sentar na cadeira e escutar o professor, todo mundo vai fazer. Temos que buscar outras alternativas de conhecimento, e saber extrair deles toda a bagagem que eles têm.

    ResponderExcluir
  2. É bem verdade que a maioria esmagadora entra na facukldade porque acha que assim será garantido um bom emprego. O resultado é que dão muitos diplomas e formam poucos bons profissionais

    ResponderExcluir
  3. Ou tem afinidades meu amigo; eu por exemplo detestava as aulas de filosofia rsrsrs, nao via a hora de acabar.

    Concordo com voce, estudos fazem a pessoa a pessoa ficar melhor, dialogar, conversar, discutir, pensar mais.
    Inelizmente temos essa falsa visão que estudar é pra arrumar emprego.
    meu medo é que daqui uns dias comecem a passar a mao na cabeça dos pobrezinhos daqueles que repetem ou daqueles que abandonam seus estudos como fazem no ensino basico.

    ResponderExcluir
  4. Umas das raras vezes que aguentei ler até o finall!! uhuuu

    Esse foi teu melhor post, parabéns!!!
    e concerteza temos que nos esforçar...não vai ser o diploma que vai garantir nosso chocolatinho neh?!

    ResponderExcluir
  5. Corrigindo: um estudante pode se tornar um bacharel tendo dinheiro para pagar pelo canudo. e só. Não prexisa mais nada. as vezes, nem o corpo presente.
    Triste.

    ResponderExcluir
  6. Olá Teilor!

    Hum... o que vejo muito, e talvez se aplique a esse êxodo intelectual, é um fator que chamo de programação humana. Algumas pessoas passam por um tipo de programação que as condiciona a desistirem ao primeiro sinal de dificuldade.

    O que as pessoas buscam na faculdade? Creio que a grande maioria busca realização profissional, traduzindo em miúdos... "dinheiro". Mas acontece que passaram a vida desistindo. É como se fosse um mecanismo de defesa...

    Triste isso...

    Abraço Don!

    ResponderExcluir