16 de mai de 2009

Viver por obrigação deve ser um saco

prisao de dividas Eu estava lendo um post no Liberal, Libertário, Libertino sobre o endividamento dos estudantes americanos, que assumem grandes dívidas para pagar a faculdade e muitas vezes, ficam engessados em carreiras mal escolhidas, que não podem abandonar em virtude de ter de pagar esta mesma dívida.

Essa semana, também estava conversando com uma colega que estuda na mesma faculdade que eu e que me confessou que faz Letras porque não tem dinheiro para pagar o curso de Direito. Questionei ela se não seria mais realizador fazer menos cadeiras no curso de Direito e demorar um pouco mais para se formar, ao invés de se formar mais rápido em algo que ela nem tinha muita vontade de estar cursando. A resposta foi que ela estava muito velha para ficar dez anos na faculdade, por isso preferia se formar em qualquer coisa e ir trabalhar (e ela não é nenhuma idosa).

Depois de ler o texto do Alex e de conversar com esta colega, eu me dei conta de duas coisas: que deve ser um saco viver uma vida por obrigação e que tem muita gente vivendo assim.

Esta semana fui assinar os documentos para renovação da minha bolsa de estudos ( Salve Lula e seu governo assistencialista!), e vi como eu era uma pessoa feliz por poder fazer o que eu quisesse, com bolsa ou sem.

Como pode alguém fazer uma faculdade que  não gosta e ainda ter que quase sacrificar sua integridade retro-furicular para pagar por isso? Se eu, que gosto do meu curso, fico de saco cheio e tenho vontade de jogar tudo para o alto de vez em quando, imagine quão sacal deve ser fazer isso só por obrigação.

As vezes eu penso que vivo em uma sociedade masoquista. Conheço tanta gente que trabalha só por obrigação, que gosta de pensar que não existe outra opção, que se regozija com seu martírio e auto-flagelo. Gente que se casa ou se amontoa com outra pessoa só por falta de coisa melhor para fazer. Gente que diz que sofre por amor mas vive apenas na ilusão de estar amando.

Eu também tenho minhas obrigações, mas eu as tenho porque escolhi assim. Ai eu tenho ouvir que minha vida é fácil porque eu não preciso pagar para estudar, porque eu moro com meus pais, não tenho uma família para sustentar, não tenho dividas de uma vida inteira para pagar!

É claro que minha vida é mais fácil! Eu escolhi que ela seria mais fácil!

Eu optei por ser feliz com o que eu tenho e acreditar que tudo que eu quiser eu vou conseguir (parece musica antiga da Xuxa)  e até hoje isso tem dado muito certo para mim.

Qual o sentido em viver uma vida sacrificada? Acordar todo dia para cumprir uma rotina que você não gosta? Em terra de cego, quem tem um olho deve ser um anormal, mas isso não importa porque ninguém esta vendo mesmo; e se alguém perguntar, é só dizer que não esta vendo nada também.

E antes que alguém diga que este post tá parecendo os livros de auto-ajuda disfarçados de literatura do Paulo Rabit, eu queria deixar bem claro que não estou nem ai se quem ler este texto, continuar vivendo sua vida de obrigações ou não. Posso ser um cara muito mal por isso (ok, então eu sou mal mesmo), mas você não ficaria feliz em saber que está de barriga cheia em uma terra de famintos?


O autor responsável por este blog consumiu uma alta dose de vinho tinto com a desculpa de espantar o frio que está fazendo no sul do país. Este mesmo autor não irá deletar este post quando acordar pela manhã, apesar que qualquer vergonha que este possa lhe causar. Por isso, sejam bonzinhos então com um blogueiro que ficou em casa bebendo vinho no sábado a noite e relevem seus devaneios.

 

Imagem

8 comentários:

  1. eu acho mesmo q nossa sociedade eh masoquista. alex castro

    ResponderExcluir
  2. Dá-lhe Teilor! Amigo, adorei o seu texto. O engraçado é que antes de lê-lo eu scrollei pra baixo e vi a sua nota em cinza claro, com letras pequenas, e antes de começar a ler o texto na íntegra (a julgar pela sua nota) achei que veria um texto cheio de erros e revoltas, digno de um ser "etilizado". Mas não, o que eu vi foi um texto com sentido e coeso, a pura constatação da realidade de muitas pessoas. Graças a Deus, a mim, e aos meus pais eu também faço o que gosto e a minha vida (apesar de ter os seus altos e baixos) também é boa e mais fácil pois eu escolhi assim. Sempre fui movido a desafios e adepto da idéia de que o importa é fazer o que se gosta, não importa o tempo que demore pra isso ou as dificuldades enfrentadas. se eu fosse pensar na dificuldade e concorrência de sequer passar num vestibular pra medicina em uma universidade pública, eu nem teria estudado (muito menos sido aprovado) na UFSC. E agora o novo desafio são as provas de resiência médica, pois médico nenhum se estabiliza nesse mercado agressivo sem especialidade. Quando eu me formei eu não sabia exatamente o que queria fazer, que área escolher, então ao invés de escolher uma área médica que apenas me trouxesse retorno financeiro, eu decidi entrar pras forças armadas e amadurecer as minhas escolhas, sentir a profissão, estudar com mais calma. Hoje, no meu segundo ano coomo oficial da Marinha, eu sei o que eu quero e estou estudando pra isso. E não vai ser fácil, mas eu tenho fé, pois estou me empenhando pra que o negócio dê certo. Eu penso o seguinte, eu creio que não existe tempo perdido quando você tem um foco. Eu não acho que eu tenha perdido 2 anos da minha vida por ter ficado na Marinha sem especialidade, muito pelo contrário. Nesse meio tempo eu pude amadurecer como pessoa, como profissional, pude adquirir mais conhecimento e determinar o que quero pra minha vida. A minha mãe tá com 50 anos e até então não tinha curso superior. Ela fez o magistério quando tinah 17 anos e casou-se com 19 anos, virou professora secundarista e depois de se aposentar, próximo dos seus 50 anos, passou no vestibular pra estudar Serviço Social, que é a área de que ela gosta. Vai se formar no curso ano que vem, portanto com 51 anos, e tá feliz da vida, estuda todos os dias e já sabe muita coisa da sua futura profissão. Quando oolho pra ela vejo que tenho ainda muita coisa pra conquistar, por isso não tem pena de quem se martiriza e auto-flagela, essas pessoas estão assim por que escolheram. Devemos analisar com cautela a situação de quem realmente não tem escolha... nesse país cheio de contrastes sociais e econômicos, muitas vezes nos deparamos com quem realmente não tem opção... portanto a estes não cabe o meu julgamento incisivo. Forte abraço e vamos curtir o frio bebendo vinho e licor de amarula e comendo chocolate (risos)!

    ResponderExcluir
  3. @Mansur, muito obrigado pelo comentário. Tenho certeza que sua mãe é um exemplo de pessoa que não se acomoda na vida. Espero ser assim independente da idade que eu tenha. E parabéns por estar seguindo em frente na sua carreira.

    ResponderExcluir
  4. Penso que o título poderia ser outro, mas, não irei arriscar palpitar no seu texto, além de concordar com o conteúdo, no entanto, muitos fazem um curso que possa ganhar um pouco de dinheiro para depois, muito depois, se conseguir, fazer o que gosta e deseja.

    ResponderExcluir
  5. Sem dúvida, tem MUITA gente vivendo "por obrigação". Não acho isso certo. Para mim, me parece absurdo que tua amiga, por exemplo, não "arranje" um jeito de trocar de faculdade e fazer o que gosta.

    Mas às vezes, as pessoas realmente não têm escolha. Além disso, acho que a gente nunca sai de algum lugar sem aprender alguma coisa. Tudo acontece por uma razão... talvez a faculdade de Letras ajude a tua amiga a vir se tornar uma advogada ética e responsável, futuramente, se ela mudar de idéia. =D

    Beijoo, Tê!

    ResponderExcluir
  6. Masoquista, preguiçosa, imediatista, acomodada, para mim são sinônimos... A grande massa desse país é acomodada, quer o peixe, não quer aprender a pescar, essa que é a verdade. Ainda mais hoje em dia com essas políticas afirmativas do governos.. cotas.. prouni.. etc. Só não faz o que você quer de graça quem não corre atrás.
    Eu, por exemplo, jamais poderia pagar pelo meu sonho (Cursar Medicina), e eu não podia participar de cotas ou prouni (1 a 8ª série em colégio estadual, 1º e 2º anos com bolsa integral, mas o terceirão minha bolsa caiu para 80%), logo o que eu pudia fazer? Estudar!!!! Do meu jeito, me debruçando SOZINHO em livros (da própria biblioteca PÚBLICA). Resultado? ESTOU DENTRO, PORRA! (auiehawiuewa, me empolguei.)
    Sério, conheço gente muito próxima de mim que é acomodado e não corre atrás, deixa a vida simplesmente passar e fica reclamando da mesma.
    Fiquei 2 anos estudando, praticamente sozinho, para correr atrás de minha realização. Agora, não me venham falar que a sociedade impoe para as pessoas condições tão adversas o suficiente para fazer com que elas não tenham nenhuma oportunidade.

    Pronto, já posso respirar. ;)


    abs,
    Fabricio

    ResponderExcluir
  7. é amigo, mas não tem jeito, a vida é cheia de obrigações e nao temos como escapar dela, pensamos que somos dono de nosso proprio nariz...tudo mentira!!!!

    Somos designados a regras e obrigações!!!!

    ResponderExcluir
  8. eu vivo uma vida chata e sem graça trabalho em casa e tenho uma filha muito mal criada me responde muito e já perdi a vontade de corrigila para a vida não estudei muito não sei fazer muita coisa só cuidar de casa e filho como muita mulheres pois é é só isso nada para fazer ..............

    ResponderExcluir