16 de fev de 2010

Nunca antes na história desse país … bla bla bla


Lula se elegeu presidente do Brasil antes que eu me importasse com o assunto ‘politica’; não que eu me importe muito hoje, mas quando o nosso atual presidente chegou ao poder eu nem direito de voto tinha, também não conhecia o percurso politico do Lula e nem mesmo entendia o significado da vitória dele.

“A vitória do povo” alguns diziam com um sorriso no rosto, o que pode soar meio estranho em uma regime democrático, onde independente do candidato eleito sempre será a vitória do povo – pelo menos da maioria do povo.

Também não lembro de como foi o governo do Fernando Henrique Cardoso, sendo que na minha memória ficou marcada apenas o discurso de que ele havia criado o Plano Real, derrubado a inflação, quebrado patentes para que se pudessem produzir os genéricos e só. Mas foi uma carta do Fernando Henrique Cardoso, primeiro presidente reeleito no Brasil, que me fez escrever este post. Você podem lê-la no blog do Augusto Nunes, jornalista da Veja.

Leitura indispensável: um grande artigo de Fernando Henrique

Antes de discorrer sobre o tema da carta, gostaria de dizer que tenho um profundo asco pela Veja e pelos seus jornalistas. Tenho nojo da linha editorial da revista, que entre todos os veículos de mídia que eu conheço, é sem dúvida o mais tendencioso que existe; um verdadeiro ninho de cobras dispostos a picar e envenenar qualquer um que ouse discordar de suas verdades incontestáveis. Dúvida? Aqui um pequeno exemplo entre muitos.

Mas agora falando exclusivamente da carta do FHC, só posso dizer que ele está completamente certo em seu texto – se não a leu até aqui, siga o link lá acima e leia.
Nosso presidente, a cada dia mais envia os pés pelas mãos enquanto parece sofrer com uma crise de final de mandato. Em teoria, eu nem mesmo poderia estar direcionando ao Lula quaisquer palavras que não fossem elogios, já que sou um dos inúmeros comtemplados pelos programas assistencialistas do Governo. Como bolsista do Prouni, terei garantida toda minha graduação e sem ter de pagar um centavo a faculdade particular que freqüento. Nem sei onde estaria se não tivesse conseguido a bolsa (e não faço nenhum esforço para imaginar), mas se não estivesse na faculdade, com certeza estaria perdendo todo um mundo de possibilidades e experiência que tenho hoje.

Mas os benefícios a mim concedidos não me tornaram cego as atitudes do governo que os criou e de certa forma, os concedeu. Muito pelo contrário; freqüentar uma boa instituição de ensino superior me tornou mais perspicaz aos assuntos sociais, mais interessado pelos rumos do meu país e com mais discernimento para julgar as ações de nossos administradores.

Como pode o partido do Lula ser acusado de inúmeras maracutaias e nosso presidente se safar apenas dizendo que não sabia de nada? 

— Senhor presidente, quero que um Aerolula caia na minha cabeça agora se o senhor não sabia do mensalão e esquemas similares que aconteciam em seu governo!Se realmente não sabia, imagino que pelo menos desconfiava, e se havia desconfiança, deveria ter incentivado uma investigação.

Não questiono as capacidades do Lula como presidente, mas como personalidade publica ele é um verdadeiro desastre. Não que a maioria do povo brasileiro se importe, afinal de contas, enquanto o nosso presidente varre a sujeira para baixo do tapete todos aplaudem como se igualmente não vissem nada.Já se diz até que o Lula ganha de qualquer jeito, elegendo ou não a Dilma. De minha parte, vou aguardar as eleições e esperar que o próximo governo não mostre apenas transparência na hora de tirar os seus 'cadáveres do armário', mas também mostre que a politica brasileira ainda pode ser levada a sério.


6 de fev de 2010

Lady Gaga, Mozart, ETs e MPB


Olha que interessante este comentário que recebi no post ‘Lady Gaga é cultura, sim senhor!

comentário
Que interessante essa visão determinística, onde seria um absurdo comparar Lady Gaga com Mozart. Verdades universais são muito validas em sociedades humanas, mas só para aqueles que não conseguem enxergar que elas não são tão verdadeiras.
 
Mozart é incontestável! Roberto Carlos é o rei da música brasileira e não reclame do especial de fim de ano dele na Globo! MPB é o supra-sumo da produção musical no Brasil!

Eu acho Mozart legal, mas não sou o maior fã de música clássica. Roberto Carlos foi um fenômeno pop no Brasil mas pessoalmente, ficaria mais feliz se ele se aposentasse com a fortuna que já juntou, porque eu sinceramente não aguento mais escutar sobre ‘quantas emoções ele viveu’. E quanto a MPB? Música de elevador e não mais do isso.

Se aliens de uma raça notavelmente avançada quisessem nos visitar, eu apenas os aconselharia a adiar a visita alguns milênios, pois deste modo, se não tivéssemos nos destruído ainda, talvez já seríamos uma raça um pouco menos primitiva.
etsss[1]

2 de fev de 2010

Os 'blogueiros relevantes' e o CyberBullying


Que a Twittess está no BBB quase todo mundo já sabe, que ela usa script todo mundo também sabe - todo mundo também sabe que a Rosana já usou script, mas ninguém costuma tocar muito nesse assunto.

Que o hype do momento no Twitter e em alguns blogs é atacar a Twittess todo mundo também sabe. O que talvez alguns não saibam, eu incluso entre estes, é porque os ataques a moça tem sido tão ferozes.

A Rosana transformou a conta dela no Twitter num canhão de ataques a Twittess, de cada dez tweets mais ou menos, um é um ataque ou uma espetada na moça. O Cardoso, que adora torcer palavras e fatos para validar a opinião dele - já até chamei ele de Michael Moore, só não lembro porque -, a cada dia dedica mais tempo a secar a fama da guria; já o Felipe Neto está até pedindo desculpas porque ele acha que o sucesso da Twittes é culpa de alguma espécie de liga de blogueiros da resistência da qual ele faz parte - devidamente trollado por mim nos comentários.

Eu não sigo nenhuma dessas pessoas, e com exceção do Contraditorium, não leio quase nada que elas publicam, mas os ataques constantes contra a Twittess proferidos por eles sempre chegam a mim, principalmente através de RTs no Twitter. Eles não são os únicos, claro, mas tem servido de musas inspiradoras para outros atacantes, então não vejo motivos para não citar os nomes deles.

Talvez eu nem devesse estar falando desse assunto, já que eu não acompanho o BBB e talvez a Twittess seja um monstro que merece todo o nosso desprezo, mas independente de como for, o que estão fazendo com ela já ultrapassou os limites da brincadeira e se transformou em CyberBullying.

CyberBullying basicamente é uma prática que envolve o uso de tecnologias de informação e comunicação para dar apoio a comportamentos deliberados, repetidos e hostis praticados por um indivíduo ou grupo com a intenção de prejudicar outrem [fonte:wikipedia].

O CyberBullying é uma coisa tão seria quanto o próprio Bulling, pois da mesma forma que este, pode prejudicar e desestabilizar uma pessoa emocional ou mentalmente. O CyberBullying é uma forma de ataque desprezível, muito comum entre os stalkers e é justamente isso que esses blogueiros estão fazendo.

cyber-bully Não vou perder o meu tempo defendendo a Twittess, ela para mim é quase que completamente irrelevante, da mesma forma que a Rosana, o Cardoso e o Felipe Neto são irrelevantes para 99,99% das pessoas que conheço (mas eu conheço bastante gente, é claro).

Eu quero mesmo é atacar a baixeza como alguns tem se comportado, se deixando influenciar pelos 'blogueiros relevantes' citados acima. Tratar os outros como gostaríamos de ser tratados fica lindo como frase para colocar na Bio do Twitter ou para ser retweetada, mas levar o ditado realmente a sério já é outra história.

Não acho errado ‘falar mal‘ ou criticar aqueles que se colocam em evidência por vontade própria, mas ofender, atacar e denegrir alguém gratuitamente já é outra história.

Enquanto escrevo este post, sou informado que a Twittess está para sair da casa hoje (02/02). Provavelmente aqui fora tem muito trabalho e dinheiro esperando por ela. E para os adoradores dos ‘blogueiros relevantes’  e similares aqui citados, fica o recado: o Boninho e a Globo devem pagar um valor bem mais alto por um boquete do que seus ídolos da blogosfera.